COXAnautas - Coritiba Eternamente

5

24/12, 09h15 | Arquibancada | Sergio Brandão

Gestão da sorte

Jogador de futebol não tem mais compromisso de amor com clube nenhum. Aliás, isso já é da lenda do futebol. Compromisso e tentativa de um pouco de seriedade foi o que restou de uma relação cada vez mais profissional, só profissional. Pouco ou quase nada afetiva. Pelo menos entre torcedor e jogador. As duas principais partes deste grande negócio que é o futebol. Um negócio que cada vez mais envolve muito dinheiro. Talvez por isso, não cabe mais esta relação de amor, que ficou unilateral.

Sei que não digo nenhuma novidade. O torcedor mais rodado sabe muito bem disso. Fico aqui pensando em algumas conversas que já presenciei, quando montavam elencos para uma temporada.

Estas conversas entre empresários, jogadores e dirigentes, trancados a sete chaves em seus escritórios, deveriam ser gravadas e ficar disponíveis ao torcedor em um lugar qualquer. Algumas, são fortes e mereciam censura prévia para torcedores cardíacos. Algumas duram dias, semanas, às vezes meses. Algumas intermináveis.

Contratos longos, por mais de um ano, que se cercam de muitos cuidados, em clausulas que protegem mais o atleta do que o clube, atleta é peça fundamental no futebol, a mais importante, é verdade.

No Coritiba, casos como o de Gil, por exemplo, são raros. Gil, com uma passagem até longa pelo Coxa, como também na Chapecoense, tinha como característica se alongar pelos clubes onde passou. Era o perfil dele. Mas é um caso raro se a gente levar em conta o padrão do que usam hoje.

Geralmente atletas mais novos, sem família, sem filhos e mulher, são contratados por um tempo menor. Na verdade cada caso é um caso e cada um é sempre criteriosamente estudado, quando há profissionalismo de dirigentes e empresários.

Levam ou devem levar muito em conta isso tudo. Por isso, a demora para os acertos que também sempre são ricos em detalhes, que contemplam desde salário, moradia, e às vezes passa até por pagamento de escola de filhos, transporte, aluguel de residência, luvas etc.

Um mundo escondido do torcedor, que não deve mesmo se interessar por estes detalhes.Na média, o torcedor que é saber do rendimento do jogador em campo. Afinal, nada mais justo, já que também é do bolso dele que sai o dinheiro das despesas do clube.

Só que é preciso ter alguns cuidados para caminhar por este mundo do futebol. Para não se machucar, não pisar em espinhos e se dar mal e acabar virando um sofredor, um lamentador, um João reclamão, sempre insatisfeito com tudo.

Neste momento, em que vivemos no Coritiba uma refação de quase tudo, e que por enquanto passa longe do que todos imaginavam, uma indicação já nos garante, ou pelo menos diz o que teremos em 2017: praticamente a mesma coisa de anos anteriores. Como já disseram por aqui, vai restar ao torcedor só a torcida para que ilustres desconhecidos que estão chegando funcionem.

Se não for com os desconhecidos, os conhecidos também não ganham muito credito. Teremos de diferente dos anos anteriores, apenas os nomes. Ano que vem vamos reclamar ou elogiar outros nomes.

Alguns dirigentes querem nos fazer acreditar que o Coritba monta um time para brigar por títulos. Pelo menos foi esta a conversa que já ouvi. A mesma do ano passado, quando prometeram a mesma coisa. Isso é ruim porque na largada desacredita um trabalho que mal começou. Estou falando de montagem de elenco e não de gestão. Nós que acompanhamos o dia a dia do clube sabemos que não é bem assim.

Como há cinco anos, estamos ainda no mesmo lugar, sem novidades, sem perspectivas.

Se der certo, se pelo menos três dos nomes que trouxeram, acabar vingando, dirão que era planejamento e o caminho estava certo. Mas a gente sabe que foi sorte. E vamos nos calar porque o que interessa é o Coritiba bem. Só não podemos nos enganar, achando que de fato eles acertaram. A gente sabe que foi sorte.

A sorte que anda nos salvando no final destes últimos anos, e que agora precisa continuar por aqui e se quiser sonhar mais alto, orar aos céus para que seja ainda maior. Porque mais uma vez erram acertando longe do alvo que imaginava e queria o torcedor.

Para manter esta chama de amor viva, vamos precisar de muita sorte e paciência em doses maiores.

Tanto sabem que os passos que dão são inseguros, que há uma semana. A editoria do COXAnautas pediu uma entrevista ao Presidente Rogério Bacellar, que até agora sequer respondeu.

É nesta hora que me folgo em saber que sou apenas torcedor. Que não preciso ouvir as conversas de bastidores, de conhecer detalhes de contratos, de compromissos assumidos que não serão cumpridos. Que o cabeça de bagre vindo como promessa, uma aposta que “agora o cara vai jogar o que ainda não jogou”, depende muito mais da sorte do que da vontade de todos: torcedores, dirigentes, empresários e até do próprio atleta.

O futebol de resultado acontece com planejamento. O título do ano seguinte, precisa ser planejado muito antes. Do contrário, ele não vem. No Coritiba ainda preferem trocar a palavra gestão pela palavra sorte. E com ela parece que será o nosso 2017.

Vale aqui uma frase que li estes dias, dita certa vez por Evangelino da Costa Neves: “Comecei o ano sem dinheiro para comprar papel higiênico para os banheiros. Terminei o ano como campeão”.

A sorte e a competência de Evangelino, não foi a mesma de Bacellar e seus antecessores. Nestes tempos modernos, não cabem mais estes procedimentos. O Coritiba continua sendo administrado como nos anos 70.

Um bom ano para nós! Com ou sem sorte!

Debate

  • "E o pior irmão é que já começaram o trabalho para 2017 do mesmo jeito que começaram em anos anteriores; perdendo os principais jogadores e recebendo refugos como pagamento. 2017 vai ser a mesma porcaria que vemos há décadas. Pode escrever!"

    Luso J. | 27/12, 09h26

    • "Já está escrito, Luso. Em textos de anos anteriores. Rsrs."

      Sérgio Brandão | 27/12, 20h10 | Móvel

  • "Nosso problema é estrutural. Não é Bacelar ou outro presidente dos últimos tempos. Todo dos eles foram incompetentes, uns mais outros menos. Nenhuma administração saiu da linha da mediocridade. Isto leva a pensar no nossa estrutura gestora, no nosso grande conselho do qual alguns são membros ativos e participaram de todas estas gestões ridiculas dos últimos 30 anos."

    Luso J. | 26/12, 23h20

    • "É isto Luso. Na verdade, pra começar a resolver o problema, seria necessário rever a forma de administrar. Uma revisão estatutária não faria mal."

      Sérgio Brandão | 27/12, 08h34

    • "Pois é Sérgio, mas qual interesse em fazer uma revisão dos estatutos poderiam ter estes barões do nosso conselho? Sempre envolvidos com os mesmos empresários, sempre beneficiarios das mesmas vantangens? Não há o mínimo interesse em mudança. Não é o cap que é time de dono, nós é que torcemos para um time de donos!"

      Luso J. | 27/12, 09h21

  • "Brandão, quando será que o Coritiba irá trabalhar o elenco de forma duradoura. Estão entregando tudo. E convenhamos o Kleber, sozinho, não fará milagres. Até porque já o fez. Tanto que, na última partida, em aquele jogo com o Flamengo, ao final, com a equipe já classificada, emendou em entrevista, no sentido de ser feito o planejamento superior. Não é este planejamento o constante nas notícias do clube. Sinceramente, esta diretoria não consegue. Ela simplesmente não consegue. Ao longo da temporada vindoura, tentará fazer correções. Pode ser que acertem. Contudo, o mais provável é decepção de novo. É irritante."

    João B. | 25/12, 17h24

    • "Pois é, João, não conseguem parar, pensar e planejar, ainda que o sonho seja pequeno... nem isso conseguem. A palavra chave é esta: planejamento."

      Sérgio Brandão | 25/12, 19h16 | Móvel

  • "Sérgio a paixão pelo futebol no Brasil acabou graças a pelé.
    Antes os jogadores eram meio que refens dos clubes formadores. Para mim nada mais do que justo.O clube investia pesado desde as categorias mirins.Esse vínculo mais duradouro criava laços.Quem não Lembra: Aladim,Sicupira,Zico,Roberto Dinamite entre centenas que honraram e amaram seus clubes.
    Clubes que investiam pesado na base, hj investem bem menos pois sabe que o jogador pode sair de graça sem o retorno esperado.
    Times como Matsubara,Guarani etc etc revelavam ótimos jogadores.
    Hoje com a maldita lei pelé os clubes são reféns de empresários e jogadores sem vínculos afetivos com os clubes.
    Como nossa base é fraca somos reféns desses jogadores aventureiros e descompromissados,e pior mal selecionados por uma diretoria cheia de vaidades e igualmente descompromissada que muitas vezes nem sabe quem está contratando."

    luiz p. | 25/12, 16h37 | Móvel

    • "Acho que o problema é outro, Luiz. Quem sabe tenha uma origem aí, mas tomou um caminho inevitável. A ideia da lei era uma, mas tomou mesmo outro caminho, sem dúvida. O problema é o tamanho do dinheiro que todos ganham trabalhando com futebol. É muito dinheiro mesmo é isso é que manda, se sobrepondo a tudo."

      Sérgio Brandão | 25/12, 19h23 | Móvel

  • "Esta falta de identificação entre jogadores e clubes, se não causar o fim do esporte, causará sem dúvida o fim daquela magia que torna o futebol o maior esporte do planeta. Dai lembro de Fedato, Nico Carazai, Hidalgo, Oberda, Hermes, Nilo, Joel Mendes, Celio, Miltinho, Kruger, Alex e muitos outros. O futebol se tornou apenas um negócio, que enriquece jogadores, redes de TV e empresários, empobreçe clubes e enraivece torcedores."

    Antonio D. | 25/12, 13h04 | Móvel

    • "É isso Antonio, anda enraivecendo o torcedor."

      Sérgio Brandão | 25/12, 14h38 | Móvel

    • "Qual Alex?"

      Wilson B. | 26/12, 03h32

  • Ver todos os comentários (29)

Comente também!

Apenas torcedores cadastrados e verificados podem comentar. faça seu login aqui.

Equipe COXAnautas

O Blog

Sou jornalista há mais de 30 anos. A profissão e a condição de torcedor, me fizeram aprender a policiar posições quando escrevo para tv ou rádio. Isso me desenvolveu muito o lado crítico. Costumo dizer que futebol é uma coisa e esporte é outra, bem diferente. Basicamente porque o futebol se transformou num produto da mídia e envolve muito dinheiro. O esporte amador, não. Sem dinheiro ele apenas sobrevive. É o caminho que o vôlei começou a tomar, por exemplo, mas ainda passa longe de ser o sucesso que é o futebol. Gosto de escrever sobre os dois: esporte e futebol. Jornalismo é minha profissão, o Coritiba minha paixão. Será um prazer estar aqui com vocês falando sobre tudo isso.

O Autor

O Coritiba está na minha alma, muito mais até que no coração. Aprendi a gostar de futebol assim, de alma e também de coração. Sou do tempo do Belfort Duarte, hoje Couto Pereira. Isso foi no início dos anos 60. De lá nunca mais saí. Na década de 70, o Coritiba me conquista definitivamente, quando montou times inesquecíveis, várias vezes campeão. Período que passei a frequentar programas de rádio para tentar ficar o mais próximo que podia do futebol. Foi a época de Dirceu Graeser, no famoso"Viva o Futebol", na Rádio Clube, depois Rádio Cruzeiro. Foi o meu começo nos meios de comunicação. Vivo do jornalismo há mais de 30 anos, dedicados ao Rádio e principalmente televisão. Hoje sou muito mais da arquibancada. Sou mais torcedor e menos jornalista, principalmente quando o assunto é Coritiba.

Bolão

Melhores Colocados

Mariana T. 47 pts.
Valdir T. 44 pts.
Leandro R. 41 pts.
Selma R. 40 pts.
Sergio Garcia dos Martires 39 pts.
P. Stonoga 39 pts.
Andre T. 38 pts.
Rubens J. 38 pts.
VALCIR CAMARGO 37 pts.
10º Luiz Alberto Bulgarelli Girão 36 pts.
11º vanessa n. 35 pts.
douglas n. 35 pts.
Maria N. 35 pts.
Simone N. 35 pts.
Suzana F. 35 pts.
Amos S. 35 pts.
Valdir 35 pts.
Diogo N. 35 pts.
Daniel N. 35 pts.
20º nancy m. 34 pts.
21º Rossano Kohut H. 34 pts.
Marcela S. 34 pts.
23º Vitor Guedes 33 pts.
24º Alysson Delalibera 33 pts.
25º Walter Carvalho 33 pts.
26º CARLOS B. 32 pts.
27º Edil Macedo dos Santos 32 pts.
28º Adailton S. 31 pts.
29º R. BAHR 31 pts.
30º Rui Valente 30 pts.
31º adonias rosa 28 pts.
32º v. j. cruchelski 28 pts.
33º neusa m. 27 pts.
34º Adriano B. 26 pts.
35º J. Gabardo 26 pts.
36º Paulo Silva 25 pts.
37º Persio F. 24 pts.
Neusa M. 24 pts.
39º Denilson M. 23 pts.
40º Renan Lourenço 23 pts.
41º cleverson k. 23 pts.
42º Gerson Lima 23 pts.
Maicon André Mariano 23 pts.
Maria Luiza K. 23 pts.
45º Ido M. F. 23 pts.
46º Luiz Rodriguez 22 pts.
Wagner Cancela 22 pts.
48º Cristian C. 22 pts.
Fábio Silva 22 pts.
ido n. 22 pts.
Vicente G. 22 pts.
52º Antonio Alvaredo Filho 21 pts.
Admir 21 pts.
54º L. Comeli 21 pts.
55º ANTONIO W. SILVA 19 pts.
56º J. Mario 19 pts.
Joilson S. 19 pts.
Sinevaldo 19 pts.
Vera M. 19 pts.
60º Bruno H. 17 pts.
61º guilherme panini 15 pts.
Luis Henrique R. 15 pts.
63º Andreo S. 14 pts.
64º Ademir Carlos p. 14 pts.
65º Silvio G. 12 pts.
Fabio F. 12 pts.
67º Marlon R. 12 pts.
Ricardo Moro 12 pts.
L. J. Pianaro 12 pts.
70º Jair F. 12 pts.
71º Wagner W. 11 pts.
72º Antonio B. 10 pts.
73º Marcelo Carneiro 10 pts.
74º Bruno Velasques 9 pts.
Alessandro K. 9 pts.
76º Carlos A. B. G. 8 pts.
77º Thiago G. 8 pts.
Marlon Souza 8 pts.
79º R. Lucas 7 pts.
80º Sandro F. 7 pts.
antonio marcos 7 pts.
O. Yossafat 7 pts.
Carlos H. Pereira 7 pts.
84º Marcelo S. 7 pts.
85º everton o. 6 pts.
86º Ricardo Guiraud 6 pts.
B. Barbosa 6 pts.
88º Adriano S. 5 pts.
Leonardo S. 5 pts.
Willian Stival 5 pts.
Marcelo Vrena 5 pts.
92º Cicero G. 5 pts.
Jackson Nogueira 5 pts.
94º Joao F. 4 pts.
Luiz K. 4 pts.
96º Antonio B. 4 pts.
andre junior 4 pts.
Rômulo S. 4 pts.
99º R. L. Zanetti 3 pts.
valdeci s. 3 pts.
Eduardo Discher 3 pts.
Luiz Franco 3 pts.
103º Marco s. 3 pts.
José S. 3 pts.
Marlon Marlon 3 pts.
Daniel G. 3 pts.
Sanderson S. 3 pts.
Nelson P. 3 pts.
Alexander M. 3 pts.
Jackson Haverroth 3 pts.
111º Rafael B. M. 2 pts.
Antonio W. Silva 2 pts.
113º Carlos M. 1 pts.
Sandro S. 1 pts.
rafael rafael 1 pts.
Rosi S. 1 pts.
Allana O. 1 pts.
119º Gilberto J. 0 pts.

Ver classificação completa

COXAnautas - Coritiba Eternamente

1996-2017 © COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba
Desenvolvido por Race Internet