COXAnautas - com o Coritiba desde 1996

01/10, 13h10 | Arquibancada | Sergio Brandão

Coritiba x Rafinha

Ganha destaque na Tribuna do Paraná, matéria sobre uma ação trabalhista de Rafinha contra o Coritiba, que trata de pendengas ainda da primeira passagem do jogador pelo Alto da Glória.

Sem entrar no mérito da validade ou não e até da razão de um ou de outro na questão, a pergunta que fica é: neste momento, em se tratando de Rafinha, “um ídolo no estaleiro”, isso é pertinente? Faz sentido o principal portal de noticias do esporte da cidade destacar tal tema? Levando em conta a salada que já é o Coritiba e se encontra o time no brasileiro, na minha opinião a matéria seria mais gasolina num incêndio já descontrolado? Mas também é preciso levar em conta que jornalisticamente a editoria de esporte faz seu papel em divulgar o fato. Como instrumento e parte importante na divulgação do futebol do estado, diria que não, a noticia não é oportuna.

Sem levar em conta que Rafinha é carta fora do baralho pelo menos até o final do brasileiro, até porque recentemente o jogador divulga nas redes sociais, ele e a família em torcida pelo Coritiba nos jogos transmitidos pela TV. Aliás desde sempre Rafinha se apresenta também como quem no mínimo gosta do Coritiba, ele e seus filhos.

O que parece ser um ruído no meio do caminho e a pergunta que muitos andam fazendo: como alguém que gosta do Coritiba pode acionar judicialmente seu clube do coração? Simples: Rafinha é profissional e dele vive, come e planeja o futuro. Troca trabalho por dinheiro. As pendengas jurídicas deixadas por Bacellar, Vilsão e Cirino, que agora caem no colo de Samir, não podem ser interpretadas de outra forma que não seja profissionalmente.

Sem levar em conta que o caso tem tudo para ser resolvido de outra forma, amigavelmente, num novo acordo firmado entre clube e jogador.

Em poucos casos, como o de Alex, que em nome da paixão abriu mão de um dinheiro que o clube lhe devia, ou no mínimo negociou a dívida em suaves prestações - coisa de pai para filho, mas que precisa ser pago porque ninguém trabalha de graça. Eu pelo menos não. E como a maioria de vocês também não o faria. O problema é o futebol, onde se mistura paixão e profissionalismo.Torcedores de um lado e profissionais de outro.

Sei que tocando neste ponto, compro briga com muita gente, entrando num tema bastante polêmico, mas é o que penso sobre o assunto: clube contrata, seja quem for, seja por relação profissional ou não, precisa cumprir o contrato e se não o fizer a justiça trabalhista é o caminho na busca da solução, haja amor ou não. Assim como muitos casamentos que começaram com amor e alguns que acabam na vara da família.

Debate

  • "Será que essas causas trabalhistas não são coisas maquiavélicas para alguém ou alguma entidade tirar proveito da situação, porque se o coxa fosse uma empresa, isso não aconteceria!?"

    Irineu R. | 02/10, 17h35

  • "G.SANTOS EU SOUBE DE UM CASO DE VITÓRIA NOSSA EM AÇÃO TRABALHISTA,DO DAVID QUE PEDIA 5 MILHÕES.PODE SER QUE EXISTAM MAIS SÓ QUE EU NÃO LEMBRO."

    Paulo H. | 02/10, 16h35

  • "A tribuna poderia fazer matérias das dívidas dos Poodles aos Paranaenses..Prefeitura e Estado ."

    Jose Carlos R. | 02/10, 00h26 | Móvel

  • "Concordo ninguém trabalha de graça. E o Rafinha demonstra em campo e fora de campo que gosta do Coxa."

    Lucas R. Carvalho | 01/10, 22h32 | Móvel

  • "Uma curiosidade. Será que os profissionais que defendem o nosso clube na esfera judicial, já ganharam alguma causa a nosso favor. Só se houve o contrário. Até pseudo jogadores que passaram por aqui estão recebendo um "dinheirinho" até hoje?"

    G. Santos | 01/10, 22h05

  • Ver todos os comentários (21)

Comente também!

Apenas torcedores cadastrados e verificados podem comentar. faça seu login aqui.

Equipe COXAnautas

Mais colunas de Sergio Brandão

O Blog

Sou jornalista há mais de 30 anos. A profissão e a condição de torcedor, me fizeram aprender a policiar posições quando escrevo para tv ou rádio. Isso me desenvolveu muito o lado crítico. Costumo dizer que futebol é uma coisa e esporte é outra, bem diferente. Basicamente porque o futebol se transformou num produto da mídia e envolve muito dinheiro. O esporte amador, não. Sem dinheiro ele apenas sobrevive. É o caminho que o vôlei começou a tomar, por exemplo, mas ainda passa longe de ser o sucesso que é o futebol. Gosto de escrever sobre os dois: esporte e futebol. Jornalismo é minha profissão, o Coritiba minha paixão. Será um prazer estar aqui com vocês falando sobre tudo isso.

O Autor

O Coritiba está na minha alma, muito mais até que no coração. Aprendi a gostar de futebol assim, de alma e também de coração. Sou do tempo do Belfort Duarte, hoje Couto Pereira. Isso foi no início dos anos 60. De lá nunca mais saí. Na década de 70, o Coritiba me conquista definitivamente, quando montou times inesquecíveis, várias vezes campeão. Período que passei a frequentar programas de rádio para tentar ficar o mais próximo que podia do futebol. Foi a época de Dirceu Graeser, no famoso"Viva o Futebol", na Rádio Clube, depois Rádio Cruzeiro. Foi o meu começo nos meios de comunicação. Vivo do jornalismo há mais de 30 anos, dedicados ao Rádio e principalmente televisão. Hoje sou muito mais da arquibancada. Sou mais torcedor e menos jornalista, principalmente quando o assunto é Coritiba.

Classificação Brasileiro

São Paulo 56
Internacional 53
Atlético-MG 50
Grêmio 50
Flamengo 49
Palmeiras 48
Fluminense 46
Corinthians 42
Santos 42
10º Ceará 39
11º A.Paranaense 38
12º Atlético-GO 36
13º Bragantino 35
14º Sport 32
15º Vasco 32
16º Fortaleza 32
17º Bahia 29
18º Goiás 26
19º Coritiba 25
20º Botafogo 23

Bolão Paranaense

Melhores Colocados

Notícias em Destaque

Veja aqui todas as notícias

Colunistas e Opinião

COXAnautas - com o Coritiba desde 1996

1996-2021 © COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba
Desenvolvido por Race Internet