COXAnautas - com o Coritiba desde 1996

07/01, 10h07 | Arquibancada | Sergio Brandão

Poço sem fundo

A motivação, ainda que tímida, que ainda restava nas manifestações de poucos torcedores, parece ter ido embora na noite de ontem.

Ela renasceu não só pela chagada do novo grupo que comanda o clube desde o final do ano passado, mas principalmente pela aura positiva que cercou dois fatos: a saída de Samir e a chegada de Follador.

Como futebol se joga no campo e não nos gabinetes, a derrota para o Goiás não pode ser tratada como uma surpresa. Mesmo assim, ainda havia quem apostasse no início de uma arrancada ou retomada.

Disso tudo, sobra o medo do que ainda virá pela frente porque a cada rodada, descobrimos que para nós, o poço não tem fundo. Sempre há uma surpresa desagradável nos esperando ali na frente.

Futebol não se joga nos gabinetes, mas é nele que começa a montagem de um time e é onde as conversas mais importante traçam o planejamento de um clube de futebol. Follador ainda terá mais algumas rodadas, querendo ou não, para pagar o preço dos erros da administração anterior.

Parece não haver esquema tático, nem treinador que dê jeito no que temos visto deste "amontoado" que hoje nos representa em campo. Como disse, fica o receio do que ainda nos espera neste restante de Série A.

Quando a coisa já se encaminhava para este quadro que temos hoje, lembrei muitas vezes da campanha do Fluminense que escapou do rebaixamento em 2009, com 99% de possibilidade de queda. Escapou justamente naquele inesquecível dezembro do quebra-quebra, no Couto Pereira, passando o bastão ao próprio Coritiba. Naquele dia, não só caímos, como fomos punidos pela CBF por conta da quebradeira que parte da torcida promoveu, invadindo o gramado. Só que naquele dia, o Fluminense tinha Fred, Cuca, Conca...muito mais qualidade que o Coritiba de hoje.

Estamos na porta de um atletiba, talvez o clássico mais temeroso dos últimos anos (se é que ainda pode ser chamado de clássico). Porque nossa auto estima está tão em baixa que o receio não é nem com a derrota, mas com uma surra, daquelas inesquecíveis.

Esta reta final prenuncia um calvário. Para nós, para os novos dirigentes e até para os atletas que já devem até estar de malas prontas, com passagem comprada e tudo, esperando o término do contrato. Pelo menos é esta a impressão que dão quando estão em campo.

Quem sabe fosse mais digno dispensá-los, para com um pouco mais de honra, terminar a temporada com um time alternativo, já pensando na preparação para a disputa do Paranaense. Assim, pelo menos teríamos um novo planejamento e algum argumento para justificar os fracassos que certamente nos esperam.

Debate

  • "Acho perfeitamente possível uma reconstrução. Só que precisa paciência, pois serão 1 ou 2 anos duros para recuperar o estrago do Sumir"

    Marcus C. | 10/01, 16h05

    • "Samir foi a pá de cal. A coisa já estava ruim e só ficou pior.

      Já temos no currículo CINCO REBAIXAMENTOS e 10 ANOS DE SÉRE B.

      Estamos indo para o SEXTO rebaixamento.

      Então, embora a gestão do Samir tenha sido péssima e realmente possa ser a pior, ela só a inflamação que demonstra a incompetência que nos cerca a 3 décadas."

      Gerson Lima | 11/01, 13h29

    • "Fato"

      Marcus C. | 16/01, 00h06

  • "Fazem 30 anos que esse poço está sendo cavado."

    Daniel C. | 08/01, 19h17 | Móvel

    • "Perfeitamente."

      Gerson Lima | 11/01, 13h29

  • Ver todos os comentários (28)

Comente também!

Apenas torcedores cadastrados e verificados podem comentar. faça seu login aqui.

Equipe COXAnautas

Mais colunas de Sergio Brandão

O Blog

Sou jornalista há mais de 30 anos. A profissão e a condição de torcedor, me fizeram aprender a policiar posições quando escrevo para tv ou rádio. Isso me desenvolveu muito o lado crítico. Costumo dizer que futebol é uma coisa e esporte é outra, bem diferente. Basicamente porque o futebol se transformou num produto da mídia e envolve muito dinheiro. O esporte amador, não. Sem dinheiro ele apenas sobrevive. É o caminho que o vôlei começou a tomar, por exemplo, mas ainda passa longe de ser o sucesso que é o futebol. Gosto de escrever sobre os dois: esporte e futebol. Jornalismo é minha profissão, o Coritiba minha paixão. Será um prazer estar aqui com vocês falando sobre tudo isso.

O Autor

O Coritiba está na minha alma, muito mais até que no coração. Aprendi a gostar de futebol assim, de alma e também de coração. Sou do tempo do Belfort Duarte, hoje Couto Pereira. Isso foi no início dos anos 60. De lá nunca mais saí. Na década de 70, o Coritiba me conquista definitivamente, quando montou times inesquecíveis, várias vezes campeão. Período que passei a frequentar programas de rádio para tentar ficar o mais próximo que podia do futebol. Foi a época de Dirceu Graeser, no famoso"Viva o Futebol", na Rádio Clube, depois Rádio Cruzeiro. Foi o meu começo nos meios de comunicação. Vivo do jornalismo há mais de 30 anos, dedicados ao Rádio e principalmente televisão. Hoje sou muito mais da arquibancada. Sou mais torcedor e menos jornalista, principalmente quando o assunto é Coritiba.

Classificação Brasileiro

São Paulo 57
Internacional 56
Atlético-MG 53
Grêmio 50
Flamengo 49
Palmeiras 48
Fluminense 46
Santos 45
Corinthians 42
10º A.Paranaense 39
11º Ceará 39
12º Bragantino 38
13º Atlético-GO 36
14º Sport 32
15º Vasco 32
16º Fortaleza 32
17º Bahia 29
18º Goiás 26
19º Coritiba 25
20º Botafogo 23

Bolão Paranaense

Melhores Colocados

Notícias em Destaque

Veja aqui todas as notícias

Colunistas e Opinião

COXAnautas - com o Coritiba desde 1996

1996-2021 © COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba
Desenvolvido por Race Internet