COXAnautas - Coritiba Eternamente

30 DIAS GRÁTIS DO CAMPEONATO PARANAENSE Em parceria com a DAZN, o site COXAnautas está oferecendo 30 dias gratuitos pra você assistir ao campeonato Paranaense de 2020. Clique aqui e faça seu cadastro gratuitamente.

28/11, 13h45 | Estrela Dourada | Marcus Popini

Obrigado, Giovanni

Desde 2006 eu ando por aqui, escrevendo uma ou outra linha sobre o Coritiba.

Fiz deste espaço não apenas a minha ponte com Curitiba, desde que daí saí, há bastante tempo, mas principalmente a minha conexão com o Alto da Glória, com o Coritiba, com a torcida Coxa Branca.

Através do COXAnautas fiz muitos amigos, virtuais e reais, participei de eventos importantes (como o jantar que oferecemos em homenagem ao Presidente Evangelino), e mantenho uma lista no WhatsApp, para falar só sobre o Coritiba, sem a qual meus dias seriam muito mais vazios.

Aqui já escrevi comemorando vitórias, chorando derrotas, lamentando rumos, desabafando, festejando, xingando os erros diretivos e sendo bastante xingado por ter adotado uma postura de tolerância zero quanto a isso... Mas posso confessar que maioria desses textos carregava uma coisa em comum: a ansiedade de poder rever o Coritiba como eu via, in loco, no estádio, no final dos anos 70 e durante os anos 80. Se não um Coritiba gigante, mas um Coritiba respeitado, que lutava, que tinha raça, brio, que honrava sua camisa, enfim.

Nesse tempo todo, o que acalmava meu coração era ver algum jogador se doando pelo Coritiba. Sem me deixar levar pela ilusão de que algum deles poderia vir a amar o clube tanto quanto nós, torcedores, amamos, eu, em meus devaneios, valorizava mais a comemoração de um gol com intensidade e vibração, quando o autor do gol se emocionava e sorria, quando o time todo corria para abraça-lo, do que o próprio gol em si. Pois a alegria da torcida se perde se o autor do gol a despreza, não pensa no que ela significa, não toma consciência de que milhares de pessoas estão ali a sorrir e comemorar porque alguém, vestindo a camisa do clube que é a razão da presença delas ali, naquele momento, marcou um gol não para si, mas para o clube que ele está a defender naquele dia.

Digo tudo isso para tentar expressar a emoção que senti ao ver Giovanni ali, ajoelhado, fazendo o gesto de atirar uma flecha, homenageando Dirceu Kruger, depois de marcar o gol mais importante deste ano, até agora, contra o Bragantino, domingo passado.

Acompanhei, aqui do Rio de Janeiro, a festa da torcida quando o ônibus do time chegou no Alto da Glória. Vi os fogos e o espetáculo da entrada do time em campo. O estádio lotado, quase 40.000 pessoas. Pois esse era o jogo que teríamos que vencer, não “apenas” para nos mantermos na briga para voltar à primeira divisão, mas por todo o simbolismo que ele encerrava. E quis o destino que o autor do gol da vitória fosse Giovanni, camisa 10, que veio para ser o craque do time, oscilou negativamente, quase voltou ao Goiás, teve sua testa carimbada com a marca de falta de compromisso ao ver concentradas em si as críticas pelo fato de a derrota vergonhosa para o Paraná Clube ter sido “comemorada” com uma noitada pelos jogadores, mas teve a hombridade de vir a público se desculpar e assumir o compromisso de se doar pelo e para o clube. Teve brio, acima de tudo.

Giovanni me fez voltar no tempo. Me lembrou de quando eu tinha ídolos no Coritiba, de como o estádio estremecia quando um gol era anotado, de quando o time inteiro vibrava, de quando tínhamos esperanças, confiança e, acima de tudo, orgulho de ser Coxa Branca.

Por esse momento, obrigado, Giovanni. Oxalá não tenha sido apenas mais um gol, mas sim o renascimento de um clube digno e respeitado.

Debate

  • "Aí, Popini! Kd a coluna antes das férias coletivas?? 😂😂"

    Alexandre Cruz | 13/12, 01h02 | Móvel

  • "nenhum post sobre o acesso? hãmmm"

    A. muraski | 09/12, 10h35

  • "Caro Marcus! Concordo em parte! A torcida agradece ao Giovanni pelo gol. Entretanto, se o Giovanni fez 10 partidas boas das 38 realizadas, foram muito! Seus erros foram maiores que seus acertos. Fico com dois pés atrás com ele, principalmente na Série A. SE errar passes de 3 metros, contra Palmeiras, Grêmio e por aí vai... Será gol na certo pros adversários. Como diria os antigos: "vamos devagar com o andor, pois o santo é de barro"."

    David B. | 29/11, 21h39 | Móvel

    • "As pessoas me falavam que ele tinha futebol e eu não acreditava. Não via vontade. Mas depois daquele episódio da balada o cara parece ter mudado mesmo, se entregou até o fim. Ele querendo jogar e comprometido pode ser um grande jogador ano que vem."

      Marcelo Carneiro | 02/12, 11h38

  • "Ansiedade a mil !"

    Ricardo Amaral | 29/11, 21h20

  • Ver todos os comentários (22)

Comente também!

Apenas torcedores cadastrados e verificados podem comentar. faça seu login aqui.

Equipe COXAnautas

O Blog

Um blog é, em essência, um tipo de mídia onde pessoas expressam suas opiniões. Este blog, em particular, não tem outra intenção que não seja discutir as coisas relacionadas ao Coritiba, sem existir qualquer pretensão de que os posts aqui colocados sejam a visão única e definitiva das coisas. Trata-se, pois, de um espaço para debates, onde as opiniões colocadas de forma respeitosa sempre serão levadas em consideração.

O Autor

Marcus Vinicius Fonseca Popini foi ao Estádio Belfort Duarte, hoje major Antonio Couto Pereira, pela primeira vez, em 1975, aos nove anos de idade. Coxa Branca de nascimento, pai de duas filhas, geólogo pela UFPR com mestrado em Geofísica pela UFBA, participante do site COXAnautas desde 2006, Popini hoje corre o mundo por conta de sua profissão, sempre levando as cores do Coritiba por onde passa.

Bolão Brasileiro

Melhores Colocados

Notícias em Destaque

Veja aqui todas as notícias

Anuncie sua empresa aqui a partir de R$9,90 mensais!

Comparação com mais de 30 bookmakers!

Encontre o melhor bookie para apostadores brasileiros em casa-de-apostas.com.

 

Colunistas e Opinião

COXAnautas - Coritiba Eternamente

1996-2020 © COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba
Desenvolvido por Race Internet